Ministro substitui prisão preventiva de investigados da operação Sevandija

In Notícias do Judiciário On

Por meio de decisão liminar, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Sebastião Reis Júnior determinou a substituição, por outras medidas cautelares, da prisão preventiva de Marco Antônio dos Santos e de Sandro Rovani Silveira Neto, ambos denunciados no âmbito da Operação Sevandija, que apura a existência de organização criminosa na prefeitura de Ribeirão Preto (SP).

De acordo com a liminar, a prisão deverá ser substituída por medidas como o comparecimento quinzenal em juízo; a proibição de acesso, por qualquer meio, aos órgãos públicos de Ribeirão Preto e às entidades envolvidas nos fatos; e o recolhimento dos passaportes.

Na decisão que decretou nova prisão preventiva, o juiz entendeu ter havido agravamento dos fatos apurados pela operação. Segundo o Ministério Público, em aditamento da primeira denúncia, Marco Antônio dos Santos, à época secretário de Administração do município, teria recebido propina por intermédio do advogado Sandro Rovani com objetivo de garantir o recebimento de honorários advocatícios estabelecidos em acordo realizado com o Sindicato dos Servidores Municipais.

De acordo com a denúncia, os valores desviados dos cofres públicos teriam ultrapassado R$ 45 milhões.

Decisão genérica

Em ambos os pedidos de habeas corpus, o ministro entendeu que, embora os fatos investigados sejam extremamente graves, a decisão que decretou as prisões não apontou de forma concreta o eventual perigo da permanência em liberdade, uma vez que está baseada em suposições e conjecturas, nem teriam sido indicados elementos de que voltariam a delinquir.

“Não posso deixar de registrar que a organização criminosa já se encontra identificada, com todos ou a grande maioria de seus integrantes individualizados, e estão afastados aqueles que ocupavam cargos públicos. Lembro também que outras medidas cautelares de natureza real, como busca e apreensão, já foram autorizadas e efetivadas. Tal contexto inibe a reiteração criminosa”, afirmou o ministro.

O relator também ressaltou que, conforme estipula a Lei 12.403/11, a prisão cautelar passou a ser a “mais excepcional das medidas”, devendo ser aplicada apenas nos casos de inequívoca necessidade e após a análise da possibilidade da adoção de medidas alternativas à prisão.

A operação

A Operação Sevandija investiga um esquema organizado dentro da prefeitura de Ribeirão Preto para fraudar licitações no município. Os investigadores estimam que as fraudes foram superiores a R$ 203 milhões.

Gestores públicos, vereadores, a prefeita do município, empresários e sindicalistas são investigados na operação, deflagrada no início de setembro.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s): HC 382883 e HC 382661.
Fonte: STJ.

Informação em seu e-mail

Assine nossa newsletter e receba, gratuitamente, nossas atualizações!

You may also read!

limite de permanência em cadastro negativo deve ser contado do vencimento da dívida

Como reflexo dos princípios fixados pelo Código de Defesa do Consumidor e das funções típicas dos bancos de dados

Leia mais...

Eleições 2018: TSE aprovou envio de tropas federais para 361 localidades do país

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já autorizou o envio de forças federais para 232 zonas eleitorais em 361 localidades

Leia mais...

Ação de alimentos não pode ser arquivada por ausência do autor em audiência designada com base em resolução do tribunal

Em respeito aos princípios da legalidade, do acesso à Justiça e da vedação às decisões-surpresa, a Terceira Turma do

Leia mais...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu