TST aplica multa por litigância de má-fé a empregado municipal demitido por desviar combustível

In Notícias do Judiciário On

A Seção 1 de Dissídios Individuais do TST condenou um servidor municipal ao pagamento de multa de 2% por litigância de má-fé. Ele foi dispensado por justa causa por ter desviado combustível e óleo de motor do Município de Cruz Machado, no Paraná, e a justa causa foi confirmada na Justiça do Trabalho.

Por meio de vários recursos, o trabalhador pedia, sem sucesso, a reintegração dele ao emprego, argumentando que não foi instaurado inquérito judicial para a apuração de falta grave. Ele alegou que é detentor de estabilidade decorrente do contrato de trabalho com ente público, e que o inquérito administrativo instaurado foi um processo político com a finalidade de dispensar um adversário.

Porém, o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná manteve a dispensa. Isso porque foi comprovado e o próprio trabalhador confessou o desvio de 60 litros de combustível e de um galão de óleo de motor de propriedade do município.

No TST, o recurso do servidor não foi aceito pela Sexta Turma. Por isso, o profissional, recorreu à SDI-1 para que fosse analisado um novo documento relativo a absolvição dele na esfera criminal.

Ao analisar o caso na SDI-1, o relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, destacou que o procedimento administrativo que resultou na dispensa por justa causa observou diversos aspectos, inclusive o de que o próprio trabalhador confessou o fato. O ministro ressaltou também que o inquérito judicial não é imprescindível para a perda de cargo de servidor público, conforme o artigo 41 da Constituição Federal, podendo ser feita por processo administrativo.

Em relação ao pedido de análise de documento novo, o ministro assinalou que o fato motivador da dispensa foi confessado pelo próprio empregado, e no recurso o trabalhador sequer contestou esse ponto. Por isso, o relator concluiu pela má-fé do profissional.

SONORA: Ministro José Roberto Freire Pimenta – relator do caso

“Eu também estou desprovendo o agravo e, revelando-se a litigância de má-fé do reclamante pelas razões que eu estou desenvolvendo aqui, eu condeno ao pagamento da multa de 2% sobre o valor corrigido da causa nos termos do artigo 81, caput, do CPC de 2015.”

Fonte: TST.

Informação em seu e-mail

Assine nossa newsletter e receba, gratuitamente, nossas atualizações!

You may also read!

limite de permanência em cadastro negativo deve ser contado do vencimento da dívida

Como reflexo dos princípios fixados pelo Código de Defesa do Consumidor e das funções típicas dos bancos de dados

Leia mais...

Eleições 2018: TSE aprovou envio de tropas federais para 361 localidades do país

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já autorizou o envio de forças federais para 232 zonas eleitorais em 361 localidades

Leia mais...

Ação de alimentos não pode ser arquivada por ausência do autor em audiência designada com base em resolução do tribunal

Em respeito aos princípios da legalidade, do acesso à Justiça e da vedação às decisões-surpresa, a Terceira Turma do

Leia mais...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu