TRF4 reconhece responsabilidade solidária entre União e funcionário público em ação de indenização

In Notícias do Judiciário On

A União e um agente da Receita Federal devem pagar indenização de R$ 5 mil por danos morais a uma funcionária de pedágio que teve voz de prisão decretada após se negar a abrir a cancela sem o pagamento da tarifa. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou, na última semana, recurso da União.

O caso aconteceu em 2007, quando a funcionária, na época supervisora, foi chamada às cabines para verificar a situação de um homem que se negava a pagar a tarifa por trabalhar na Receita Federal e estar dirigindo um carro apreendido em uma ação. Após a supervisora negar a passagem sem a apresentação de documentos que comprovassem a situação do carro, o agente deu voz de prisão por desacato, agarrando-a e empurrando-a na tentativa de levá-la presa, gerando lesões.

O caso virou notícia na época, tendo sido divulgadas as imagens das câmeras de segurança do lugar. A funcionária foi absolvida da acusação de desacato, mas a exposição, além do fato em si, obrigou a mulher a, inclusive, mudar de cidade. Ela, então, ajuizou ação por danos morais contra a União e o agente. A funcionária sustentou que a conduta do homem extrapolou os limites da sua função, gerando todo o dano.

A Justiça Federal de Cascavel (PR) julgou o pedido improcedente, mas o TRF4 decidiu dar provimento ao recurso, condenando os réus ao pagamento da indenização. Conforme o relator que assinou o acórdão, desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Junior, embora ambas as partes tenham contribuído para gerar o estresse, os atos do agente público foram predominantes para o desenvolvimento crítico da situação.

Segundo a relatora do caso, desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler, “a reação foi exagerada, autoritária e desproporcional, considerada a sua condição física privilegiada e responsabilidade como servidor público qualificado diante da autora, conferente de arrecadação que entendeu estar cumprindo seu trabalho ao exigir prova documental para a liberação da cancela do pedágio”, concluiu.

Fonte: TRF da 4ª Região.

Informação em seu e-mail

Assine nossa newsletter e receba, gratuitamente, nossas atualizações!

You may also read!

limite de permanência em cadastro negativo deve ser contado do vencimento da dívida

Como reflexo dos princípios fixados pelo Código de Defesa do Consumidor e das funções típicas dos bancos de dados

Leia mais...

Eleições 2018: TSE aprovou envio de tropas federais para 361 localidades do país

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já autorizou o envio de forças federais para 232 zonas eleitorais em 361 localidades

Leia mais...

Ação de alimentos não pode ser arquivada por ausência do autor em audiência designada com base em resolução do tribunal

Em respeito aos princípios da legalidade, do acesso à Justiça e da vedação às decisões-surpresa, a Terceira Turma do

Leia mais...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu